Como funciona a bolsa de valores, afinal?

7 minutos para ler

Para quem deseja começar agora no mercado de investimentos ou expandir a sua atuação, vale a pena saber como funciona a bolsa de valores. Afinal, ela é uma das alternativas mais procuradas por investidores que desejam buscar por melhores resultados – especialmente no longo prazo.

Ao mesmo tempo, pode ser desafiador investir em renda variável. Por isso, a atividade demanda um preparo inicial. Ao se preparar adequadamente, você poderá tomar boas decisões para os seus objetivos financeiros e diminuir os riscos dos investimentos.

Pensando nisso, reunimos tudo sobre a bolsa de valores no Brasil. Continue conosco e veja como se preparar para aproveitar as oportunidades que a renda variável pode lhe oferecer!

O que é a bolsa de valores?

A bolsa de valores nada mais é que o ambiente de negociação de valores mobiliários. Seu principal objetivo é oferecer a estrutura e a segurança para que as negociações de investimento ou especulação sejam realizadas e liquidadas.

No Brasil, a bolsa de valores é a B3 — antiga BM&F Bovespa. Ela também é a mais importante da América Latina, devido ao volume de ativos negociados todos os dias.

Cada país tem a sua ou as suas bolsas principais. Como os mercados são diferentes, cada bolsa tem características específicas. No geral, entretanto, é possível definir algumas qualidades que são comuns à maioria.

Uma das questões mais relevantes em sua atuação é a transparência. Todas as compras e as vendas devem ser devidamente registradas para poderem ser verificadas de maneira fácil. Assim, é fundamental que as pessoas contem com segurança institucional ao fazer operações.

A bolsa de valores acompanha o mercado e a economia, de forma ampla. Por isso, ela costuma servir como um “termômetro” de investimentos estrangeiros, confiança de mercado, desenvolvimento econômico e assim por diante.

O que é negociado na bolsa?

Os valores mobiliários que podem ser encontrados na bolsa de valores brasileira são bem diversificados. Afinal, ela é um local privilegiado para ter acesso à renda variável.

Contudo, algumas modalidades desse tipo são disponibilizadas fora da bolsa. É o caso de fundos de ações e fundos multimercado. Eles ficam disponíveis para investimento na plataforma da corretora ou banco de investimento.

Veja a seguir exemplos dos principais investimentos negociados na B3:

Ações

As ações costumam ser os ativos mais conhecidos da bolsa de valores. Elas funcionam como frações do capital social de empresas. Por meio da compra dos papéis, o investidor passa a ter participação nos resultados do negócio.

Nesse caso, o lucro pode ser obtido de algumas maneiras. A primeira é com a distribuição de proventos para os investidores. Por exemplo, por meio de dividendos ou de juros sobre capital próprio. Eles podem render valores interessantes em casos de resultados positivos na companhia.

Outra possibilidade de lucro para investidores consiste em lucrar com a valorização dos papéis no longo prazo. Enquanto isso, especuladores podem obter ganhos com a oscilação de preços no curto prazo.

Fundos de índice

Os fundos de índice também são conhecidos como ETF e são outros investimentos populares da bolsa. O objetivo deles é ter um portfólio cuja composição é semelhante a um índice de acompanhamento do mercado — como o Ibovespa, que é o principal da bolsa brasileira.

Ao aportar dinheiro em ETFs você não está comprando diretamente as ações ou ativos. Na verdade, há a negociação de cotas do fundo de índice, o que lhe permite participar dos resultados dele. Uma de suas vantagens é a diversificação da carteira.

Fundos imobiliários

Mais uma alternativa para investir na bolsa são os Fundos de Investimento Imobiliários (FII). Eles são uma modalidade coletiva em que os investidores adquirem cotas e também participam dos resultados do fundo — recebendo lucros proporcionais à quantidade de cotas que adquiriram.

Os investimentos são feitos por um gestor especializado. No caso de FIIs, é possível obter rentabilidade por meios diversas estratégias – a depender do tipo do fundo imobiliário. Por exemplo, os FIIs de papel podem investir em ativos de renda fixa, como Letras de Crédito Imobiliários (LCI).

Já os FIIs de tijolo investem em imóveis físicos, como prédios comerciais, condomínios, hotéis, shoppings e assim por diante. Por fim, há os fundos de fundos — que focam em adquirir cotas de outros FIIs.

Como funciona a bolsa de valores no Brasil?

Um fato importante sobre a bolsa de valores é que as negociações barulhentas do pregão físico ficaram no passado. Hoje, tudo é feito de maneira online — a partir do acesso ao home broker ou a outra plataforma de renda variável por uma instituição financeira.

O funcionamento se dá geralmente de duas formas principais. Há o chamado mercado primário, que acontece, por exemplo, quando uma empresa ou fundo abre seu capital e disponibiliza as primeiras ações ou cotas. No caso, os recursos vão diretamente para a companhia ou fundo.

Depois do primeiro lançamento, as ações e cotas passam a ser negociadas no mercado secundário. Ou seja, a negociação acontece entre os próprios investidores. Nesse caso, alguém deseja vender e alguém deseja comprar. Então, a posse passa de um para o outro.

Como investir na bolsa?

Você viu que entender como funciona a bolsa de valores é o primeiro passo para começar a investir em ações ou nos fundos negociados nela. Feito isso, outro conhecimento importante diz respeito ao seu perfil de investidor.

O perfil tem relação com seu apetite ao risco e com seus objetivos ao investir. Assim, há como saber se a bolsa é uma alternativa adequada e quais são as opções que fazem sentido para as suas finanças.

Depois, é necessário abrir uma conta em uma instituição intermediária (corretora de valores ou banco de investimentos). Ela fornece acesso ao home broker ou outra plataforma de renda variável, onde você pode escolher quais investimentos deseja fazer e realizar suas ordens de compra ou venda de ativos.

Além disso, vale destacar que é importante acompanhar os movimentos do mercado, bem como entender as características de cada investimento. Assim, fica mais fácil entender os riscos e atuar de maneira adequada de acordo com os seus interesses.

Vale a pena fazer aportes na bolsa?

Depois de conhecer como funciona a bolsa de valores, você pode decidir se vale a pena fazer aportes nela. A decisão depende de cada investidor, baseado nas suas preferências e na sua análise de riscos.

Como você viu, é possível fazer aportes com foco na especulação financeira ou no investimento de longo prazo. Se alguma das alternativas fizer sentido para as suas finanças, movimentar dinheiro na bolsa pode ser uma opção para o seu caso.

E não se esqueça de que entender como funciona a bolsa de valores no Brasil é um passo importante para fazer bons investimentos. Com os conhecimentos que adquiriu neste post, será possível explorar diversas alternativas e alcançar os seus objetivos de maneira mais fácil!

Quer acompanhar outras dicas sobre investimentos? Assine a nossa newsletter para receber conteúdo em sua caixa de entrada!

Até a próxima!

assine nossa newsletter e fique sabendo de todas as novidades do mercado de fundos de investimento

Posts relacionados

Deixe um comentário