Veja como multiplicar o seu dinheiro com 5 dicas para investir

7 minutos para ler

Demorou, mas os brasileiros finalmente descobriram que os investimentos rentáveis são o caminho para construir um patrimônio respeitável. Aos poucos, percebe-se também que é possível auferir altos ganhos de maneira segura. Entre janeiro e outubro de 2019, o total de investidores na Bolsa atingiu a marca de 1,5 milhão de participantes. Antes de seguir o fluxo, entretanto, é preciso aprender a gerenciar as finanças pessoais e a como multiplicar o dinheiro de modo variado.

Essa mesma onda de investidores aprende, desde cedo, que a diversificação da carteira de investimentos é algo imprescindível. Os problemas começam a surgir diante das vastas opções disponíveis no mercado. Algumas delas, inclusive, merecem uma explicação razoavelmente detalhada, o que faremos a seguir.

No entanto, e se, além disso, você soubesse como multiplicar o dinheiro de forma totalmente satisfatória e segura? Ficou interessado? Não perca as 5 dicas que preparamos para você e confira uma estratégia de investimentos desenvolvida para melhorar os resultados!

1. Considere os ativos de renda fixa

Se existem algumas nomenclaturas e expressões do mercado financeiro extremamente confusas, outras são quase autoexplicativas. No segundo grupo está a renda fixa, uma modalidade de investimento com uma taxa pré ou pós-fixada. Para construir uma estratégia de investimentos vencedora, você precisa ficar atento a todas as possibilidades dessa variante de aplicação financeira, como as elencadas a seguir.

Títulos do Tesouro

No caso dos títulos do Governo, negociados via Tesouro Direto, é interessante observar alguns aspectos básicos antes da compra. Antes de mais nada, verifique se a corretora escolhida cobra alguma taxa sobre a operação. Em seguida, verifique à qual indicador (Selic, IPCA etc.) o título está atrelado. Proporcionar liquidez diária também é um diferencial importante.

Letras de Câmbio

Muita gente ouve falar em renda fixa e já corre para os títulos do Tesouro Direto, que representam uma boa opção. No entanto, você precisa observar melhor o horizonte, assim, enxergará as Letras de Câmbio (LCs). A vantagem delas é a segurança mesclada com uma rentabilidade atrativa, a qual pode se aproximar dos 120% do índice CDI.

Letras de Crédito

De olho nos eventos diários do mercado financeiro baseados em projeções de médio e longo prazo, tudo indica que o agronegócio e a construção civil receberão novos aportes financeiros. Para participar desse processo, você pode investir em LCAs (Letras de Crédito Agrícola) e LCIs (Letras de Crédito Imobiliário). Uma vantagem indiscutível desse investimento é a isenção do Imposto de Renda.

Fundos de investimento em renda fixa

Para mesclar os investimentos feitos em renda fixa de uma forma mais prática, basta recorrer a um fundo de investimento especificamente criado para esse fim. Novamente, vale a pena atentar a eventuais taxas cobradas pelas corretoras que administram o fundo em questão.

2. Avalie os investimentos imobiliários

O investimento em imóveis continua sendo uma das alternativas viáveis do mercado. Para isso, você pode comprar e revender ou alugar os imóveis. Esse modo exige um aporte financeiro considerável, então, nem sempre é a melhor alternativa.

A solução mais em voga atualmente está relacionada aos Fundos Imobiliários (FIIs). Ao participar desse tipo de negócio, o investidor passa a receber uma quantia de cada mensalidade de locação imobiliária ligada ao fundo. E ainda há um detalhe: os FIIs são igualmente isentos do Imposto de Renda.

No entanto, é fundamental saber analisar cada fundo imobiliário antes de efetuar qualquer aplicação financeira. Existem fundos vinculados a empreendimentos bem específicos, os quais costumam render mais riscos para o investidor. Portanto, é aconselhável estudar as possibilidades criteriosamente e com bastante calma.

3. Aproveite o alto retorno da Bolsa de Valores

Os fundos imobiliários são uma excelente alternativa ao mercado de ações. Contudo, convém lembrar que as negociações dos papéis nas Bolsas de Valores são a principal referência para qualquer investidor. Todos os demais investimentos são afetados, direta ou indiretamente, pelo que acontece cotidianamente na Bolsa.

Dito isso, saiba que a compra e a venda de ações ainda são duas das modalidades de investimento mais rentáveis de todas. A adesão a esse mercado está mais democrática. Décadas atrás, havia um abismo entre quem podia ou não ingressar na Bolsa, que era extremamente restrita.

De alguns anos para cá, o avanço da qualidade da internet proporcionou um boom de informações sobre diferentes assuntos. Entre diversos temas, os investimentos são um assunto recorrente nos principais canais de comunicação da atualidade.

Reservar parte do seu investimento para o mercado de ações é altamente recomendável. Mas cada aporte precisa ser friamente estudado, sob risco de haver perdas significativas. Não são raras as histórias de investidores da Bolsa que lucraram e perderam muito — quase ao mesmo tempo. Aqui, a consistência está intimamente correlacionada a uma capacidade de análise de múltiplos aspectos e cenários.

4. Diversifique com fundos multimercado

Há pouco, nós mencionamos os fundos de renda fixa, ideais para facilitar a diversificação desse tipo de investimento. Os fundos multimercado, por sua vez, são destinados a levar a combinação de diferentes ativos a outro nível.

Isso significa que esse arquétipo de fundo se constitui de um conjunto de ativos de renda fixa e variável. Com a inclusão de ativos de renda variável, como ações, a ideia reside em melhorar os resultados propiciados pelo fundo.

Além disso, note que a porcentagem de investimentos nos ativos também muda de um fundo para outro. Quem pretende correr mais riscos, por exemplo, pode aderir a um fundo com 70% voltado aos ativos de renda variável. Os mais conservadores tendem a inverter essa proporção, priorizando os ativos considerados mais seguros, embora menos lucrativos.

5. Priorize os fundos quantitativos

Após tudo o que foi dito até então, é possível deduzir que a realização dos melhores investimentos depende de análises precisas. Existem alguns cuidados que ajudam a aumentar a probabilidade de acerto a cada aplicação financeira. Um estudo minucioso dos ativos de interesse e das tendências de mercado em intervalos de médio e longo prazo é o mínimo que se espera de um bom investidor.

Se, em princípio, tudo isso parece complicado, na prática, a dificuldade se confirma. Felizmente, existem os fundos quantitativos. Neles, a complexidade do processo fica a cargo de algoritmos, prontos para analisar e cruzar uma série de dados, como o histórico de preços dos ativos e os balanços das empresas. Assim, a tomada de decisão é efetuada com muito mais segurança.

Os fundos quantitativos representam, portanto, o uso eficaz da tecnologia no ambiente de investimentos. Quando bem utilizada, a tecnologia sempre é capaz de se transformar em uma poderosa aliada. A fim de ser completo, o fundo de investimentos quantitativo precisa oferecer:

  • tecnologia de ponta no desenvolvimento dos algoritmos — essencial para que eles interpretem milhares de dados ao mesmo tempo;
  • abordagem científica — o que assegura deliberações exclusivamente tomadas com base em uma metodologia já testada e aprovada;
  • descorrelação — fundamental para proporcionar uma diversificação da carteira de investimentos, devidamente alinhada à estratégia do investidor;
  • ganhos consistentes.

Esse conjunto de benefícios explica por que, na hora de pensar em como multiplicar o dinheiro de um jeito efetivo, é importante dar atenção aos fundos quantitativos multimercado. Resta saber em qual deles você deve alocar seus recursos para, finalmente, viver de investimentos.

Quer aprender mais sobre investimentos e ainda receber uma análise semanal do que está acontecendo no mercado? Então assine a nossa newsletter!

Até a próxima!

assine nossa newsletter e fique sabendo de todas as novidades do mercado de fundos de investimento

Posts relacionados

Deixe um comentário