Fundos Quantitativos: o que são e como funcionam?

12 minutos para ler

A tecnologia mudou o mundo de forma revolucionária, e já era de se esperar que ela chegaria no mundo dos investimentos também.

Você já pensou em como seria incrível se tivesse um jeito de investir que combina análise de dados históricos, algoritmos de alta precisão e eliminação do viés na hora da tomada de decisão, protegendo seu patrimônio de perdas permanentes?

Então, ele existe. E, neste artigo, vamos te ajudar a entender o que são, como funcionam e como investir em fundos quantitativos!

Mas, afinal, o que são fundos quantitativos?

Fundos Quantitativos são fundos de investimento em que a gestão é feita por meio de algoritmos e que contam com uma robusta análise de dados para tomar a decisão de investimento.

Eles também podem ser chamados de quant ou sistemáticos.

Quais são as características dos Fundos Quantitativos?

As principais características desses fundos é a entrega de resultados consistentes, o uso da tecnologia, a baixa correlação com o mercado e a eliminação do viés emocional.

Tecnologia para tomar a decisão de investimento

A tecnologia é uma grande aliada nas estratégias quantitativas, porque é a partir dela que as hipóteses se tornam algoritmos.

Baixa correlação com outros produtos do mercado

Por se comportarem de maneira diferente do mercado e por utilizarem inúmeras estratégias, esses fundos acabam sendo uma opção de baixa correlação.

Entrega de resultados consistentes

Como as estratégias do fundo passam por inúmeros testes, em um processo científico, os resultados que se obtém com ele são os esperados.

Isso não quer dizer que o fundo não vai cair, e sim que a estratégia está funcionando do jeito que tinha que funcionar.

Eliminação do viés emocional

A mente humana é maravilhosa, mas também erra. Principalmente, em um dia de estresse, ou em algum dia de euforia.

Com os fundos quantitativos, esse viés emocional é eliminado, e o algoritmo vai tomar a decisão correta, que foi programado para tomar.

Qual a diferença entre um fundo tradicional e um fundo quantitativo?

Em um fundo de gestão discricionária, ou seja, em um fundo tradicional, um gestor e um analista acompanham os movimentos do mercado, montam suas teses e compram ativos que tem muita certeza. Nesse caso, a análise é feita de forma qualitativa.

Em um fundo de ações, eles focam em alguns papéis que fazem muito sentido e que eles tenham muita convicção, por exemplo.

Já nos fundos de gestão sistemática, o foco está no desenvolvimento de teses e ciência financeira, com foco em análise de dados profunda, com uma oportunidade muito maior de compra de ativos.

fundos quantitativos - um gráfico mostrando a diferença entre uma análise sistematica e uma discricionaria

No gráfico, você consegue ver o foco de cada tipo de gestão: os discricionários focam na convicção dos trades, já os sistemáticos focam nas oportunidades de trades.

Quais são os tipos de fundos quantitativos?

Existem três tipos de gestão dos fundos quantitativos: os mais puros, o Quantamental e o misto.

Puros

Os fundos quantitativos mais puros são aqueles onde as estratégias vão ser criadas por meio de machine learning e inteligência artificial, ou seja, não existe intervenção humana.

Os algoritmos apenas analisam a base de dados, e a partir disso, com IA decidem em qual ativo vão alocar os recursos disponíveis.

Quantamental

Essa modalidade vai reunir fundamentos econômicos às estratégias quantitativas, ou seja, os gestores vão ensinar os fundamentos econômicos para um algoritmo, para que esse algoritmo tome a decisão.

Isso quer dizer que existe uma abordagem científica por trás desse modelo, onde um especialista levanta uma hipótese, une essa hipótese a um fundamento econômico, valida essa hipótese em um backtest e depois coloca o modelo validado em operação.

Mistos

O terceiro tipo de fundo quantitativo está mais próximo dos fundos tradicionais, que é o chamado fundo misto. E, neste tipo de fundo, o gestor já percebeu que pode usar a tecnologia em seu favor, mas mesmo assim prefere tomar a decisão final.

Como é o mercado de Fundos Quantitativos no Brasil?

Hoje, esse tipo de fundo ocupa menos de 1% do mercado brasileiro. No entanto, a tendência é de crescimento, já que passa dos 25% em países como os EUA.

Muitas corretoras brasileiras já perceberam o potencial desse tipo de fundo e por isso já tem opções disponíveis em suas plataformas.

E, em qual frequência esses fundos operam?

Esse fundos podem operar em alta ou em baixa frequência. Depende muito da filosofia da gestora do fundo, e do que foi acordado desde o início.

Quando os fundos escolhem operar em alta frequência, eles fazem milhares de operações por segundo, e o sucesso desses fundos depende de um poder de computação muito alto para poder processar todas essas operações com muita velocidade, e poder atuar fazendo arbitragem.

Por outro lado, tem os fundos que vão usar estratégias de baixa frequência. Nesse caso, eles operam a maior parte das estratégias de maneira semanal ou mensal. Isso quer dizer, que estão muito mais focados no longo prazo e em estratégias que funcionem durante muito tempo.

Como os fundos quantitativos funcionam na prática?

Esses fundos se baseiam na descoberta de padrões de comportamento dos ativos, e têm um processo complexo para fazer eles funcionarem corretamente.

Cada tipo de fundo quant funciona de uma forma diferente, e nesse artigo, vamos focar no processo do Quantamental.

As fases do processo são:

Criação das teses

O primeiro passo para montar uma estratégia sistemática é a seleção do fundamento econômico. Ou seja, é nesse passo que a gestão escolhe o fundamento que vai dar base para sua hipótese.

Construção e programação

Depois de selecionarem o fundamento, eles passam para a fase de montar os processos de investimento e ensinam o algoritmo a executar os processos.

Backtest

O gestor do fundo realiza testes históricos na base de dados para descobrir se sua hipótese funciona ou não de acordo com uma ideia ou fundamento econômico.

Esse teste utiliza a base de dados históricas para simular exatamente o que o algoritmo faria (em cada momento) no passado.

Implementação da estratégia nos fundos

Depois de todos os testes, essa é a fase que as estratégias vão de fato para os fundos. Por isso, todas as etapas anteriores tem que estar funcionando muito bem.

Controle de risco e manutenção

Para que o fundo não corra riscos desnecessários, os fundos quantitativos tem estratégias para gestão de risco muito bem definidas.

  • Controle de volatilidade e ativos para cada algoritmo;
  • Sistema de alocação entre famílias com controle de volatilidade, correlação e desconcentração, ditando a composição do portfólio;
  • Agrupamento de estratégias em famílias por correlação e princípio;
  • Sistema de controle de exposição dos fundos baseado na diferença entre a volatilidade de curto e de longo prazo do mercado;
  • Monitoramento das métricas de risco com limites pré-estabelecidos. Comitê em cenários de stress acima dos limites;
  • Sistema que garante que o fundo não se exponha além da sua tolerância de volatilidade.

E esse é um processo que acontece pra cada estratégia nova de cada fundo (e existem fundos com dezenas de estratégias).

Quais são as vantagens dos fundos quantitativos?

Os fundos quantitativos são uma opção muito importante para compor sua carteira porque eles conseguem juntar o melhor da capacidade humana e o melhor da capacidade das máquinas.

Suas principais vantagens estão na capacidade de processamento de dados, na descorrelação e no uso de modelagem matemática e científica. Confira em detalhes a seguir!

Uso de modelagem matemática e científica

Isso automatiza uma parte do processo e serve como base para a decisão de investimento. Os algoritmos se baseiam em dados e números — por isso, não são afetados por mudanças de humor, pressão do mercado ou vieses cognitivos.

Capacidade de processamento de dados

Esse tipo de algoritmo conta com uma capacidade de processamento de dados muito acima da média dos seres humanos. Isso porque, diferentemente do que acontece com as máquinas, a tensão das situações de incerteza pode interferir em nossas decisões.

Afinal, investir é lidar com um leque de possibilidades, certo? Quanto mais munido de informações você estiver, melhor.

Descorrelação

Além do volume de dados usados na tomada de decisão, esses fundos tem um grande benefício para diversificação da carteira. Quando combinamos diferentes investimentos é importante entender quão correlacionados eles são, ou seja, quando um sobe, todos sobem (o mesmo vale para quedas) ou se eles se comportam de formas diferentes.

Por tomar decisões de maneira diferente dos fundos tradicionais, os fundos quantitativos são descorrelacionados, diminuindo os riscos da carteira. Isso porque em momentos em que a maioria dos fundos está caindo, esse fundo pode estar subindo, te protegendo de perdas.

E quais são os riscos dos fundos quantitativos?

Lembre-se de que o algoritmo ainda não segue pontos fora da curva, como eventos recentes, particulares e muito inesperados, uma vez que a principal fonte é o histórico dos ativos.

Há também o risco de liquidez, que está diretamente ligado ao prazo do fundo e aos seus objetivos.

Além disso, estamos falando de renda variável, que por si só já se caracteriza como risco de mercado.

Como funciona a tributação dos fundos de investimento quantitativos?

A tributação para esse tipo de fundo é a mesma que para os fundos de investimento tradicionais, ou seja, muda pra cada classe de ativos que o fundo opera.

Se for um fundo quantitativo que é multimercado (FIM), a tributação vai ser entre 22,5% e 15%, dependendo do tempo que o dinheiro ficar investido (quanto mais tempo, menor a tributação). Além de ter o come-cotas e o IOF.

E, se for um fundo de ações (FIA), a tributação é de 15%, não importando quanto tempo o dinheiro fique no fundo. Além de não sofrer a incidência do come-cotas, nem do IOF.

Como escolher o melhor fundo de investimento quantitativo?

Para escolher um fundo quant ideal para você é necessário seguir uma série de passos, desde conhecer bem seu perfil de investidor até fazer comparações entre fundos que façam sentido.

E, quando você segue esses passos, fica mais fácil tomar sua decisão.

Conheça seu perfil de investidor

Esse é um dos passos mais importantes e, justamente por isso, está em primeiro lugar aqui na nossa lista.

Não vale a pena investir em um produto que não se encaixa com o seu perfil de investidor! Se você é conservador, e quiser investir em um fundo arrojado, na primeira queda que ele tiver, você vai querer tirar seu dinheiro de lá, e esse pode ser seu maior erro.

Então, lembre-se sempre: conheça seu perfil de investidor.

Defina um objetivo

Sempre que for investir dinheiro, você tem que saber porque está colocando ele em determinado ativo. Porque, se você não fizer isso, seu risco aumenta consideravelmente.

Você tem que combinar os prazos dos fundos que você vai investir, com os seus objetivos. Caso contrário, corre o risco de perder dinheiro.

Avalie os custos do fundo

Fundos de investimento tem seu custo, e as principais taxas são a de administração e a de performance. A taxa de administração é o custo mensal de ter uma gestão profissional para o seu dinheiro.

Já a de performance é definida pelo benchmark financeiro que o fundo escolheu, e caso a performance do fundo seja superior a esse benchmark a taxa é cobrada.

Pesquise o histórico do fundo e os ativos que ele opera

É muito importante conhecer a gestora desses fundos, pesquisar o histórico de performance (sempre lembrando que rentabilidade passada não é rentabilidade futura), conhecer o tipo de ativo que o fundo opera, analisar métricas como o Índice de Sharpe e correlação com outros fundos.

Faça comparações entre fundos

Na hora de comparar os fundos, é necessário fazer comparações que fazem sentido. Por exemplo, se você quer investir em um fundo quantitativo multimercado, você tem que comparar ele com outro fundo quant multimercado.

Além disso, mesmo que os dois sejam multimercado, é importante comparar a volatilidade de cada fundo, porque só então você vai conseguir analisar melhor e tomar uma melhor decisão.

Não escolha um fundo só pela rentabilidade

Um erro de muitos investidores é escolher um fundo só pela rentabilidade, porque, embora seja tentador colocar seu dinheiro em um fundo que está com uma performance muito alta, existe um viés de curto prazo que pode prejudicar sua carteira.

Como investir em Fundos Quantitativos?

Agora que você já sabe como escolher um bom fundo quantitativo, você precisa saber onde encontrá-los.

Para investir nesse tipo de fundo, você pode investir diretamente com a gestora, em uma plataforma disponibilizada por ela, ou pode investir com a sua corretora de preferência.

Como você viu, os fundos de investimentos quantitativos são ótimas alternativas para diversificar seus ganhos, manter um bom retorno e ainda usar a tecnologia para lidar melhor com os riscos.

E leve sempre em consideração que esse é um ativo de renda variável e que existirão momentos de queda que fazem parte do processo. Mas, tendo uma carteira bastante diversificada você otimiza seu risco e protege seu patrimônio.

Quer testar seus conhecimentos sobre os Fundos Quant? Faça o nosso teste agora e descubra se você está pronto para investir neles!

Até a próxima!

 

teste para saber se você sabe tudo sobre fundos quantitativos

Posts relacionados

Um comentário em “Fundos Quantitativos: o que são e como funcionam?

Deixe um comentário