Qual a diferença entre uma gestora e uma corretora?

6 minutos para ler

Você está pensando em realizar diferentes investimentos na renda fixa ou variável? Então, é essencial entender quais são e como funcionam as instituições do mercado financeiro. Por exemplo, a gestora e a corretora de investimentos.

Trata-se de instituições distintas e que podem apresentar vantagens particulares para sua escolha. Logo, vale a pena conhecê-las melhor antes de alocar seus recursos no mercado financeiro.

Quer saber mais sobre o tema? Então continue conosco para saber mais sobre estes dois agentes do mercado e conhecer as principais diferenças entre corretora e gestora.

Vamos lá?

O que é uma corretora de valores?

Pode-se dizer que uma corretora atua como uma intermediária do mercado financeiro. Ela tem como principal função dar acesso para os investidores às diversas opções disponíveis, tanto na renda variável quanto na renda fixa.

As corretoras são especializadas na mediação de investimentos. E, por isso, costumam oferecer um amplo portfólio de alternativas para os investidores.

As opções podem ser de bancos e instituições diferentes, as quais a corretora reúne em sua plataforma. Também é possível que a instituição ofereça fundos de investimentos próprios, gerenciados por ela.

Além disso, algo comum nas corretoras de valores é o oferecimento do serviço de assessoria de investimentos. O assessor trabalha apresentando aos investidores as possibilidades de aplicações e ativos disponibilizados na plataforma da corretora.

O que é uma gestora de investimentos?

Como o próprio nome revela, o papel da gestora é gerenciar, administrar e alocar os recursos de investimentos.

Para que isso aconteça, ela conta com profissionais especializados — que são experientes no mercado financeiro. Os gestores, então, conseguem direcionar os valores para os melhores investimentos de uma estratégia, mediante uma seleção criteriosa.

As gestoras geralmente oferecem fundos de investimento, com foco em gerir o patrimônio dos diversos investidores. Os fundos podem ser abertos ou fechados e podem ter objetivos e formas de gestão bem diversas.

Nos fundos abertos, há a possibilidade de aquisição de cotas por parte dos investidores a qualquer momento. Enquanto isso, os fechados costumam ter um período específico para atração de capital. Além disso, eles podem ser exclusivos — por exemplo, para investidores qualificados.

Qual a diferença entre gestora e corretora?

Depois de conhecer um pouco mais sobre gestora e corretora de valores, veja a seguir algumas das principais diferenças entre os dois tipos de instituição.

Confira!

Modelo de atuação

A forma do negócio é uma das maiores distinções entre gestora e corretora. Como visto, a corretora atua como uma intermediária, de modo a fazer a ligação entre um investidor e as opções disponíveis no mercado.

Enquanto isso, a gestora é focada na gestão de uma carteira, que é formada por um ou mais ativos. Isso significa que uma gestora é envolvida em todo o processo de seleção de oportunidades, alocação de recursos e acompanhamento dos resultados de um fundo ou carteira que administra.

Riscos

Sabendo o que é uma gestora, há como notar que ela assume o papel de tomar as decisões para aportar os recursos, certo? Como tudo é feito por gestores qualificados, o investimento em fundos pode ser visto como uma forma de minimizar riscos, já que o investidor não decide sozinho onde investir.

Os fundos também apresentam diversificação no portfólio — o que ajuda a manejar riscos. Contudo, vale lembrar que o perfil de risco tem relação com o objetivo de cada fundo. Eles podem ter estratégias mais conservadoras, moderadas ou arrojadas.

Também convém notar que não significa dizer que investir com uma gestora não traga riscos. A questão é que você poderá contar com decisões de especialistas no assunto, o que pode ser uma oportunidade interessante.

Opções de aporte

Na hora de investir o seu dinheiro, a corretora de valores costuma oferecer um nível maior de liberdade, por ter mais opções. Isso acontece porque além, de produtos próprios, ela disponibiliza alternativas de outras instituições emissoras ou gestoras.

Já investir diretamente em uma gestora apresenta opções mais limitadas aos próprios produtos financeiros dela em se tratando de fundos. Contudo, a partir destas modalidades de investimento, o investidor continua tendo acesso a um portfólio diversificado.

A diferença é que, neste último caso, ele não precisa fazer as escolhas sozinho.

Gestão dos ativos investidos

Um dos destaques de investir por meio de gestoras é a praticidade. Como a tomada de decisão fica sob a responsabilidade da gestão do fundo, é possível realizar os investimentos de maneira mais simples.

No caso da corretora, as decisões são realizadas de forma mais autônoma por cada investidor. Embora o assessor de investimentos possa apresentar oportunidades, ele não pode decidir por você.

Taxas

Tanto a corretora de valores como a gestora de investimentos apresentam algumas taxas, mas o modelo de cobrança é diferente. É comum que as corretoras cobrem a taxa de corretagem e de custódia para realização das operações, por exemplo.

Já a gestora de um fundo cobra um percentual em relação ao valor total investido, através das taxas de administração e de performance.

Qual é a melhor opção para investir?

Entender as diferenças entre corretora e gestora é essencial para escolher a opção mais vantajosa para você em cada situação. Como foi possível notar, as duas empresas têm características distintas, embora atuem no mercado financeiro.

E qual seria a melhor opção? Na verdade, a resposta depende dos seus objetivos.

Pensando em termos de praticidade, a gestora pode ser uma alternativa melhor. Afinal, caso você tenha interesse em investir via fundos e contar com uma gestão profissional, pode fazer os aportes diretamente, sem mediação de uma corretora.

A corretora, por outro lado, pode ser a opção mais adequada para quem deseja pesquisar diversos investimentos, de instituições diferentes. E para quem não tem interesse em contar com a expertise de um gestor profissional para cuidar dos seus aportes.

De qualquer modo, é importante saber que ambas as instituições devem ser autorizadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para prestar serviços. Então, pode ser interessante conferir o registro e a autorização de atuação de cada uma delas para ter mais segurança ao investir.

Quer se manter sempre informado e tomar as melhores decisões? Inscreva-se em nossa newsletter e saiba de tudo em primeira mão!

Até a próxima!

assine nossa newsletter e fique sabendo de todas as novidades do mercado de fundos de investimento

Posts relacionados

Deixe um comentário