Você sabe como funciona o índice Ibovespa?

6 minutos para ler

Quando falamos sobre investimentos na renda variável é praticamente impossível não citar o índice Ibovespa. Afinal, ele é o principal indicador da bolsa de valores — muito utilizado pela mídia, por exemplo, para sinalizar como está o cenário econômico do país.

Mas o Ibovespa é muito mais do que isso. Se você realiza investimentos ou deseja investir em ações, é importante conhecer o conceito para usá-lo a seu favor.

Por isso, vale a pena compreender como é o funcionamento do índice, como se dá o seu cálculo e, claro, o que ele representa. Quer conhecer tudo sobre o assunto? Continue a leitura e confira!

O que é e como funciona o índice Ibovespa?

Saber o que é o índice Ibovespa – ou IBOV – significa entender que ele é o principal índice de ações da bolsa de valores brasileira. Isso acontece porque, basicamente, o índice acompanha a movimentação das companhias mais negociadas no mercado.

O índice é composto por uma carteira teórica de ações. E, ao reunir os papéis das empresas que movimentam maior volume na bolsa, o Ibovespa reflete, de modo geral, os movimentos do mercado.

Então, quando você ouve que a “bolsa brasileira caiu”, por exemplo, é porque houve uma queda nos preços de boa parte das ações do índice. O mesmo acontece quando há alta da bolsa.

Para que ele serve?

Como você deve imaginar, a principal função do índice Ibovespa é servir como um benchmark – ou referência – de todo o mercado brasileiro de ações. Então, ele ajuda a acompanhar a evolução dos preços do mercado ao longo do tempo, a partir de uma dinâmica sólida e fácil de entender.

Seus resultados também servem como um tipo de termômetro do mercado de ações. Afinal, movimentos acentuados do IBOV podem indicar situações relevantes — como uma perspectiva negativa ou positiva para o mercado nacional, por exemplo.

O que forma o Ibovespa?

Para entender o funcionamento do índice, é essencial saber como ele é composto. Como você viu, trata-se de uma carteira teórica de ações.

A seleção das empresas que vão integrá-la se baseia em alguns fatores, como:

  • volume de negociação no período (mínimo de 0,1%);
  • taxa de participação nos pregões;
  • cotação média acima de R$ 1;
  • atuação livre de recuperação fiscal ou outros regimes especiais.

As empresas precisam atender a tais critérios para fazerem parte do índice. Contudo, não são todas as companhias que entram na carteira. Das ações que cumprem os aspectos citados, são selecionadas as de maior negociação — em torno de 60 empresas.

A partir disso, há a definição dos pesos de cada ação na carteira. Então, calcula-se o índice de negociabilidade. Ele considera o volume financeiro e o total de negociações realizadas na bolsa.

Assim, para de fato refletir os movimentos do mercado, alguns ativos têm um impacto maior do que outros no índice. Entretanto, nenhuma ação pode ter peso maior que 20%.

Revisão do índice

A composição do Ibovespa é revista a cada 4 meses, para considerar mudanças na bolsa, e, no momento de rebalancear, é possível retirar e incluir ações, além de fazer mudanças no peso.

No geral, os três períodos de revisão do índice Ibovespa são de:

  • janeiro a abril;
  • maio a agosto;
  • setembro a dezembro.

O objetivo é garantir que o índice seja representativo ao longo de todo o ano, mas sem que sofra com micro alterações. Se ele fosse modificado mensalmente, por exemplo, flutuações de mercado poderiam retirar ou adicionar empresas e a medida se tornaria menos eficiente.

E aqueles pontos, como eles funcionam?

Provavelmente, você já notou que algumas notícias sobre o mercado financeiro e a economia na mídia citam o avanço ou queda do Ibovespa em pontos. Mas, o que eles significam e como funcionam?

Os pontos do índice são a forma de medir a evolução ou a queda da carteira teórica, já que eles são acumulados, com base na soma da performance de todos os papéis integrantes.

Na prática, cada ponto corresponde a R$ 1,00. O valor total, portanto, representa o quanto seria preciso investir para comprar todas as ações da carteira teórica, em determinado momento.

Imagine o valor de 100 mil pontos do índice Ibovespa. Então, seria necessário aportar R$ 100 mil para adquirir ações de todas as empresas selecionadas na carteira. Se os pontos aumentam, significa que há valorização dos ativos — e o contrário acontece na queda.

Por que é importante conhecer o Ibovespa?

Como você viu, o índice Ibovespa é o mais relevante da bolsa brasileira. Logo, é essencial saber como ele funciona e quais são as suas movimentações ao longo do tempo. Ele tem importância tanto para quem já investe quanto para quem começará agora.

Quem já tem ações da renda variável no seu portfólio de investimentos pode utilizar o IBOV para acompanhar o mercado. Ele também serve como benchmark para sua carteira de ações e permite que você saiba se os seus investimentos estão acima ou abaixo da média.

Quem ainda pensa em começar a investir também se beneficia de acompanhar o índice. Desse modo, é possível estar bem informado para tomar decisões adequadas para os seus objetivos e de acordo com o seu perfil de investidor.

Como analisar e acompanhar o índice Ibovespa?

Além de conhecer o funcionamento, vale a pena também saber interpretar as informações do índice. Analisá-lo pode ajudar a decidir, por exemplo, se começar no mercado de ações faz sentido para você.

É válido considerar, portanto, aspectos que estão por trás da pontuação do índice. É o caso de previsões para o mercado, situações no cenário econômico nacional ou internacional, notícias sobre empresas de peso etc. E acompanhar a movimentação do Ibovespa em pontos.

Também vale destacar que o IBOV não é propriamente um investimento. O índice serve como referência ou unidade de medida. Então, você não pode “investir no Ibovespa” — pelo menos, não diretamente.

Para acompanhar, de fato, o índice seria preciso adquirir todas as ações, no mesmo peso que elas apresentam, mas você não precisa fazer isso de forma independente. É possível investir em um ETF — um fundo de investimentos que tem o objetivo de acompanhar um índice — que replica o IBOV.

Agora, você já sabe que o índice Ibovespa é um dos indicadores mais importantes para a renda variável. Conhecer como ele funciona e o que representa pode ser útil para melhorar a sua tomada de decisão nos investimentos e para avaliar sua carteira de ações.

Então considere as informações que trouxemos nesse post e faça bons investimentos!

Quer receber dicas sobre finanças e investimentos diretamente em seu e-mail? Assine nossa newsletter!

Até a próxima!

assine nossa newsletter e fique sabendo de todas as novidades do mercado de fundos de investimento

Posts relacionados

Deixe um comentário

índice Ibovespa